Sobre a Federação Brasileira de Psicodrama

FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE PSICODRAMA, também designada simplesmente por FEBRAP, é uma sociedade civil, de direito privado, de caráter científico-cultural, sem fins lucrativos, com duração por tempo indeterminado. Tem por finalidade a união das instituições brasileiras de Psicodrama que adotam como base comum a filosofia, a teoria e práticas propostas por Jacob Levy Moreno.
Foi criada em 21 de agosto de 1976 com o objetivo de regulamentar a formação dos Psicodramatista, que até esse momento era realizada por um grande número de escolas de Psicodrama, em vários estados do País.
O Psicodrama criado por Moreno foi introduzido em nosso País na década de 60.
Em agosto de 1970, aconteceu no MASP, em São Paulo, o 5º Congresso Internacional de Psicodrama e Sociodrama e 1º Congresso de Comunidade Terapêutica. Reconhecido por ser o maior congresso de Psicodrama até então realizado, esse encontro reuniu grandes nomes do Psicodrama Internacional e teve ampla repercussão na mídia.
A partir de então foram surgindo em São Paulo as primeiras escolas de formação, que geraram várias outras por todo o País, evidenciando-se então a necessidade de alguma forma de agrupamento. Congregando 14 instituições à época de sua criação, que foram denominadas federadas, a FEBRAP estabeleceu como suas as seguintes atribuições:
  • promover a divulgação do saber psicodramático brasileiro,
  • estimular a comunicação e a integração dos profissionais através de suas entidades federadas,
  • possibilitar a comunicação nacional e internacional entre as mesmas.
Hoje, ela está formada por 36 federadas, instituições responsáveis pela manutenção da sua estrutura, para o que contribuem mensalmente. Mantém os seus objetivos iniciais: a formação teórico-prática e/ou transmissão, divulgação e aplicação do Psicodrama.  Foram criados Princípios Gerais para os Cursos de Formação para Psicodramatistas, que são seguidos pelas federadas, o que facilita o intercâmbio entre todas.
Sua estrutura é composta pelas seguintes instâncias:
  1. A) Assembleia Geral
B)Fórum Gestor
C) Diretoria Executiva
A Assembleia Geral é a instância deliberativa superior da FEBRAP, soberana em suas deliberações. As Assembleias Gerais são ordinárias ou extraordinárias, formadas por um representante de cada federada.
O Fórum Gestor é o espaço das discussões políticas, constituído por um representante da Diretoria Executiva e por um representante de cada Federada. Reúne-se pelo menos três vezes ao ano, ordinariamente e, extraordinariamente, quando convocado por, no mínimo, dois terços de seus representantes.
A Diretoria Executiva, eleita pela Assembleia Geral para um mandato de dois anos, é composta pelo Presidente, Diretores de Ensino e Ciência, Eventos Culturais, Divulgação e Comunicação, Administração e Finanças e dois suplentes.
As últimas gestões e a atual diretoria têm trabalhado no sentido de intensificar a presença e a visibilidade do psicodrama na sociedade brasileira. Os psicodramatistas da atualidade são profissionais de diferentes áreas: médicos, psicólogos, pedagogos, fonoaudiólogos, profissionais de RH, todas as pessoas que em sua prática profissional trabalham com grupos, garantindo com essa diversidade uma grande abrangência nas áreas de intervenção psicossocial.
Durante a realização do 37o Fórum Gestor da Febrap – Federação Brasileira de Psicodrama, foi constituída a Assembleia Geral Ordinária para eleição da Diretoria Executiva para o biênio 2015/2016.  Os membros eleitos são
Presidente: Ellen Lamberg Carneiro Bond (APP)
Vice-presidente e Diretora de Ensino e Ciência: Yvette Betty Datner (SOPSP)
Diretora de Eventos Culturais: Andréa Claudia de Souza (POTENCIAR)
Diretor Financeiro: Sérgio Eduardo Serrano Vieira (I.R.P.)
Diretora Administrativa: Luiza Barros – GAYA
Diretor de Divulgação e Comunicação: Felipe Torres Amato (Instituto de Máscaras)
Suplentes: Irineu Américo de Oliveira (SOPSP) e Wladinéia Campos Danielski (CRIAAÇÃO).

Um depoimento emocionante e histórico:

 

COMO ACONTECEU O AQUECIMENTO INESPECÍFICO PARA A FUNDAÇÃO DA FEBRAP

Herialde Silva

               Minha missão na vida, na família, com os amigos, na profissão e no Movimento Psicodramático, é circular e cuidar mais dos bastidores e confesso que desempenho esse papel com alegria, paciência, carinho e muito “amor”. Por essa razão assisti a primeira movimentação que aqueceu de fato a criação da Febrap, e isso aconteceu na IV Jornada Nacional da Sociedade Brasileira de Psicoterapia, Dinâmica de Grupo e Psicodrama – Seção Rio de Janeiro, sob a presidência de Ronald de Carvalho Filho, realizada de 12 a 14 de dezembro de 1975, onde além de participante apresentei o Psicodrama Pedagógico.   Como meu ex-marido J. S. Fonseca Filho, foi um dos principais coordenadores da proposta federativa do movimento psicodramático, o lócus desse primeiro momento foi o apartamento onde estávamos hospedados no hotel sede dessa Jornada, porque se fazia necessário um local reservado e protegido. O resultado desse encontro foi a participação ativa além do Fonseca, de Içami Tiba e Victor Silva Dias para organizar nossa federação e efetivar a participação das 14 entidades existentes na época, formadoras de Psicodramatistas que foram visitadas pessoalmente por Tiba e Victor numa andança cigana, que sempre marcou Moreno e seus seguidores, pois além da previsão da cigana quando Moreno era bebê de que ele seria um homem muito importante, e isso aconteceu, percorreu o mundo e nós continuamos viajando sempre para participar de fóruns, congressos, jornadas, encontros, dar cursos, vivências e supervisões e no início à sede da Febrap era itinerante. Foi assim que tivemos pessoas muito significativas de norte ao sul do Brasil, aderindo e colaborando para organizar e participar da Febrap, como Pierre Weil (BH), Alfredo Correia Soeiro – D’Alessandro e Ronaldo Pamplona (SP), Maria Rita Seixas (Brasília), Waldeck D’almeida (Salvador), José Carlos Landini (Campinas) e tantos outros que só engrandeceram, porque não mais estão entre nós, o Projeto Socionômico de Moreno, assumindo cargos, docências, dirigindo atividades em eventos e escrevendo muito. Em 21 de agosto de 1976, em plena ditadura militar, surge de fato a nossa Febrap englobando no início só as escolas formadoras de terapeutas médicos e psicólogos, sendo Içami Tiba seu primeiro Presidente. Nessa época, eu já havia concluído o curso de psicodrama, dava aulas de Expressão Corporal na SOPSP, tendo como minha primeira monitora a querida Mônica Chemin, sendo também convidada pelo DP Sedes para ministrar a mesma cadeira em seu curso foco psicoterápico, e eu participava da Febrap porque era docente dessas federadas, pois, quando em 1977 fundei o EU=TU Núcleo Psicopedagógico não consegui filiação por ter também formação para os não terapeutas, foco socioeducacional, e nossos alunos participavam dos Congressos só como convidados. À partir de 1990 quando eu já tinha mudado de estado civil, cerrado as portas do EU=TU, saído da SOPSP e na gestão do presidente Geraldo Amaral (1985), a Febrap  oficializou a inclusão das escolas privadas e dos cursos das federadas de psicodrama pedagógico, recebo o convite da coordenadora geral do DP Sedes Dalka C. A. Ferrari para implantar o projeto do curso de psicodrama pedagógico do Eu-Tu no Sedes, e começo a representar o DP Sedes na Febrap, participando ativamente do seu desenvolvimento e expansão. Fui representante na Febrap pelo Sedes, da Regional São Paulo, fiz parte de comissões em congressos, participei de grupos de trabalho para construir projetos, reformular normas e em 2006 fui escolhida por unanimidade no Fórum Gestor para ser ouvidora (2007-2008) organizando essa instância. Até a criação do Fórum Gestor adotado por sugestão da então Presidente Heloisa Fleury (DPSedes), composto pelos representantes das federadas, as reuniões da Febrap eram difíceis, disputava-se o poder e o saber e eram extremamente tumultuadas, mas energeticamente vibrantes! O Fórum não só acalmou os ânimos como dividiu entre todas as entidades as responsabilidades, promoveu a aproximação além dos congressos, proporcionando encontros e trocas nos dando oportunidade de utilizar nosso precioso método Psicodrama nesses fóruns. Marlene M. Marra e eu quando dirigíamos os fóruns iniciais, nos aventuramos a aquecermos os participantes com Expressão Corporal e Jogos e a usar as dramatizações para elucidar dúvidas, legitimar propostas, colocações, reivindicações, votações e deu muito certo porque até hoje acontece dessa forma.  O DPSedes não só teve e tem representantes na FEBRAP, como essas representatividades tem muito peso. Já tivemos presidentes, tesoureiros, ouvidora, presidentes de congressos, enfim, até hoje, lá estão na diretoria pessoas incríveis do Sedes. A Febrap cresceu, amadureceu, tem sede fixa em São Paulo, se impôs no contexto nacional e internacional, tem sua história e memórias registradas, continuando firme e forte porque é uma nação guerreira e a cigana estava tão certa que a importância de Moreno e sua obra atinge a todos nós com suas centelhas divinas. Parabéns Febrap pelos seus 35 anos e nós do DPSedes desejamos com orgulho que você continue cada vez maior e melhor.
 Com gratidão e paixão,
 Herialde1    (Docente DPSedes)
São Paulo – setembro 2011.